Singularidades y controversias del sistema estadístico brasileño

Sidneia REIS CARDOSO

Resumen


Desde el inicio de la formación del sistema estadístico brasileño, la producción y difusión de las estadísticas oficiales siempre han estado conectadas con las necesidades de conocimiento del Estado sobre sus recursos. Pero con el desarrollo de la sociedad, las estadísticas tienen otro propósito. Con el creciente volumen de la demanda de información, se llega a la fase actual en que el sistema tiene que proporcionar datos no sólo para el gobierno sino para la sociedad en su conjunto. Y esta disposición de datos tiene que ser de forma confiable, imparcial y de utilidad práctica para la sociedad. Este se convierte en el nuevo propósito social del sistema estadístico. Actualmente cuando la sociedad brasileña vive en un Estado democrático de derecho, este trabajo tiene como objetivo analizar algunos cuellos de botella que obstaculizan el cumplimiento de la finalidad social del sistema. Estos cuellos de botella están insertados en la red de relaciones entre usuarios, productores y Estado. El trabajo busca reflexionar, entonces, sobre los principales problemas que afectan a la relación de los productores con los usuarios; la integración del sistema y la coordinación; y también sobre las principales controversias con respecto a la estructura institucional del sistema estadístico.

Palabras clave


Sistema estadístico nacional; estadísticas oficiales; información y ciudadanía

Texto completo:

PDF (Português )

Referencias


ASSIBGE (2016) Servidores do IBGE repudiam nomeação de empresário para dirigir o Instituto. Recuperado de [http://blogs.correiobraziliense.com.br/servidor/tag/ ibge/1].Consultado [01-06-2016].

CARVALHO Jr. C. V.; FIGUEIRÔA, E. S. B.; GUIMARÃES, J. R. S. (2006). Informação, planejamento, cidadania e desafios contemporâneos do sistema estatístico nacional. XV Encontro Nacional de Estudos Populacionais, Caxambu, MG.

CHENAIS, G. (2008). A National Strategy for the Development of Statistics (NSDS): a proposal for the structure of the final document. The Partnership in Statistics for Development in the 21st Century - Paris 21.

COSTA, M. M.; DIRSCHNABEL, L. (2011). A doutrina da segurança nacional: justificação do governo militar e perseguição do “inimigo”. Anais do V Congresso Brasileiro de História do Direito, Curitiba, Paraná.

DA SILVA, M. A. (2011). A Presença da Estatística e da Probabilidade no Currículo Prescrito de Cursos de Licenciatura em Matemática: uma análise do possível descompasso entre as orientações curriculares para a Educação Básica e a formação inicial do professor de Matemática. Boletim de Educação Matemática, UNESP, Campus de Rio Claro, 24(40). pp. 747-764.

DOWBOR, L. (2016). Informação para a cidadania e o desenvolvimento sustentável. Recuperado de [http://dowbor.org/2004/10/informacao-para-acidadania-e-o-desenvolvimento-sustentavel-2.html/]. Consulta [17-04-2016].

FEIJÓ, C.; VALENTE, E. (2005). As estatísticas oficiais e o interesse público. Bahia Análise & Dados, Salvador, 15(1). pp. 43-54.

FERREIRA, S. P. (2003). Produção e disponibilização de estatísticas: uma abordagem institucional. São Paulo em Perspectiva, 17(3-4). pp. 17-25.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. (2015) Princípios Fundamentais das Estatísticas Oficiais . Recuperado de [http://www.ibge. gov.br/home/disseminacao/eventos/missao/principios_ fundamentais_estatisticas.shtm]. Consultado [14-042015].

JANNUZI, P. M.; GRACIOSO, L. S. (2002). Produção e disseminação da informação estatística: agências estaduais no Brasil. São Paulo em perspectiva, São Paulo, 16(3). pp. 92-103.

LARA, M. L. G.; CONTI, V. L. (2003) Disseminação da informação e usuários. São Paulo em perspectiva, São Paulo, 17(3-4). pp. 26-34.

LEI Nº 6.183, DE 11 DE DEZEMBRO DE 1974. (1974). Dispõe sobre os Sistemas Estatístico e Cartográfico Nacionais, e dá outras providências. Recuperado de [http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/1970-1979/ L6183.htm]. Consultado [02-06-2015].

LIMA, R. S. (2008). A produção da opacidade: estatísticas e segurança pública no Brasil. Novos Estudos, 80. pp. 65-69.

MÉDICI, A. C. (1990). Sistema estatístico, planejamento e sociedade no Brasil. Revista Brasileira de Estudos de População, Campinas, 7(2).

PARTNERSHIP IN STATISTICS FOR DEVELOPMENT IN THE 21st CENTURY. (2004). Argumentação a favor de uma Estratégia Nacional de Desenvolvimento da Estatística (NSDS) (Quinta versão). Secretariado do Consórcio Paris21, Paris, França.

ROCHA, R. (2009) A gestão descentralizada e participativa das políticas públicas no Brasil. Revista Pós Ciências Sociais, vol. 1, nº 11, São Luís, MA.

SCHWARTZMAN, S. (2016a) Transmissão de cargo da Presidência do IBGE ao Dr. Sérgio Besserman Vianna . Recuperado de [http://www.schwartzman.org.br/simon/ saida.htm]. Consultado [24-05-2016].

SCHWARTZMAN, S. (2016b). IBGE: quase um século de história. Publicado no O Globo, 29/05/2016. Recuperado de [http://oglobo.globo.com/economia/ibge-quase-umseculo-de-historia-19391148]. Consultado [31-05-2016].

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL – SEF (1997). Parâmetros curriculares nacionais: matemática. Brasília: MEC/SEF.

SELTZER, W. (1994). Politcs and statistics: independence, dependence or interaction? New York: United Nations.

SENRA, N. C. (1998). A coordenação da estatística nacional: o equilíbrio entre o desejável e o possível . Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio de Janeiro / Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia, Rio de janeiro, RJ.

Recuperado de [http:// ridi.ibict.br/handle/123456789/665].

SENRA, N. C. (1999). Informação estatística: política, regulação, coordenação. Ciência da Informação, Brasília, 28(2). pp.124-135.

SENRA, N. C. (2002). Regime e política de informação estatística. São Paulo em perspectiva, São Paulo, 16(3). pp.75-85.

SENRA, N. C. (2005). Um sistema estatístico para e pela Federação - uma incursão na sociologia das estatísticas. Bahia Análise & Dados, Salvador, 15(1). pp. 121-131.

SENRA, N. C. (2009). Estatísticas Formalizadas (C.1972−2002). História das estatísticas brasileiras. Rio de Janeiro: IBGE, vol. 4.

SENRA, N. C. (2012). Sistema estatístico brasileiro a caminho do terceiro modelo: aproveitando

elementos do primeiro e do segundo modelos. Recuperado de [http://www.13snhct.sbhc.org. br/resources/anais/10/1342118758_ARQUIVO_ SBHCSTTextoNelsonSenraV2jul2012.pdf.]. Consultado [23-01-2014].

SILVA, A.B.O. (2005). O sistema de informações estatísticas no Brasil e as relações entre seus produtores e usuários. Ciência da Informação, Brasília, 34(2). pp. 62-69.

SOCIEDADE BRASILEIRA PARA O PROGRESSO DA CIÊNCIA - SBPC. (1996). Informação para uma Sociedade Democrática: por uma Política Nacional de Produção e Disseminação de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais. I Fórum Nacional de Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais, Rio de Janeiro, RJ.

UNITED NATIONS STATISTICS DIVISION. (2004). Manual de Organización Estadística: el funcionamento y la organización de uma oficina estadística. New York: Nações Unidas.




DOI: http://dx.doi.org/10.14201/reb201746108122

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.