Quilombos y comunidades remanentes: resistencia contra la esclavitud y afirmación en la lucha por la tierra

Adelmir FIABANI

Resumen


Las comunidades remanentes de quilombos conquistaron el derecho a la titularidad de sus tierras, de acuerdo con la Constitución Federal de 1988. Estas comunidades se formaron antes y después de la Abolición de la esclavitud y presentan un problema común: la falta del título de propiedad la tierra. El Estado es el responsable de la emisión de los títulos, pero no atiende las expectativas de las comunidades, ya que el proceso es largo. Las comunidades necesitan la regularización de la tierra para poder desarrollarse. La omisión del Estado causa inestabilidad en las comunidades y las expone directamente a la acción de los emgrileiros/em, hacendados y representantes del agronegocio que se apoderan ilegalmente de sus tierras.

Palabras clave


Remanentes de quilombos; tierra; Negros; propiedad de la tierra

Texto completo:

PDF (Português )

Referencias


Acevedo, R. & Castro, E. (1988). Negros do Trombetas: guardiães de matas e rios. Belém: Cejup/UFPA-NAEA.

Alberti, V. & Pereira, A. A. (Orgs). (2007). Histórias do movimento negro no Brasil: depoimentos ao CPDOC. Rio de Janeiro/Pallas; CPDOC-FGV.

Almeida, A. W. B. de. (2005). Os quilombos e o mercado de terras. Porantim, Ano XXVI, 272, Brasília-DF, Jan/Fev-2005.

Andrews, G. R. (2007). América afro-Latina, 1800-2000. São Carlos: EdUFSCar. https://doi.org/10.31819/9783954872695

Araujo, M. (2007). Mundinha Araújo: depoimento. Entrevista concedida a Adelmir Fiabani. [carta].

Assunção, M. R. (1996). Quilombos maranhenses. In J. J. Reis, & F. dos S. Gomes, [Org.]. Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras.

Backes, A. L., Azevedo, D. B. & Araujo, J. C. (Orgs). (2009). Audiências públicas na Assembleia Nacional Constituinte: a sociedade na tribuna. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara.

Brasil. (1988). Constituição Federal. Artigo 68 do ADCT. Brasília.

Brasil. (2001). Casa Civil. Decreto nº. 3.912. Brasília.

Brasil. (2009). INCRA. Quilombolas. Instrução Normativa 57. Brasília.

Brasil. (2015a). FCP. Quilombolas. Brasília.

Brasil. (2015b). INCRA. Quilombolas. Brasília.

Carneiro, E. (2001). Singularidade dos quilombos. In C. Moura (Org.). Os quilombos na dinâmica social do Brasil. Maceió: EDUFAL.

Comissão Pró-índio de São Paulo. (s/d). Comunidades Quilombolas. Recuperado de [http://www.cpisp.org.br/comunidades/htmlterras/]. Consultado [09-10-2005].

Comissão Pró-índio de São Paulo. (s/d). Terras Quilombolas. Recuperado de [http://www.cpisp.org.br/html/sobre_cpi.html]. Consultado [10-07-2015].

Conrad, R. (1978). Os últimos anos da escravatura no Brasil: 1850-1888. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Fernandes, F. (1965). A integração do negro na sociedade de classes. São Paulo: s/e.

Fiabani, A. (2012). Mato, palhoça e pilão: o quilombo, da escravidão às comunidades remanescentes [1532-1988] (2ª ed.). São Paulo: Expressão Popular.

Fiabani, A. (2015). Novos quilombos: luta pela terra e afirmação étnica no Brasil (1988-2008). Palmas: Nagô Editora.

Fiabani, A. (2017). Comunidades quilombolas: o peso da herança escrava. IV simpósio nacional VII simpósio do NURBA: A geopolítica territorial do capital na Amazônia legal e as comunidades tradicionais, Universidade Federal do Tocantins, Palmas, Tocantins, Brasil.

Fonseca, P. P. (2004). Memória dos feitos que se deram durante os primeiros anos de guerra com os negros quilombolas dos Palmares, seu destroço e paz aceita em junho de 1678. In L. S. Almeida (Org.). Mata e Palmares nas Alagoas. Arapiraca: EDUAL.

Freitas, D. (1984). Palmares: a Guerra dos Escravos. Porto Alegre: Mercado Aberto.

Funes, E. A. (1996). «Nasci nas matas, nunca tive senhor». História e memória dos mocambos do baixo Amazonas. In J. J. Reis, & F. S. Gomes (Org.). Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras.

Gomes, F. S. (1996). Quilombos do Rio de Janeiro no século XIX. In J. J. Reis, & F. S. Gomes, (Org.). Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras.

Gorender, J. (2010). O escravismo colonial. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo.

Goulart, J. A. (1972). Da fuga ao suicídio: aspectos da rebeldia dos escravos no Brasil. Rio de Janeiro: Conquista/MEC.

Guimarães, C. M. (1988). Uma negação da orden escravista: quilombos em Minas Gerais no século XVIII. São Paulo: Ícone.

Karasch, M. (1996). Os quilombos do ouro na Capitania de Goiás. In J. J. Reis, & Gomes, F. dos S. (Org.). Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras.

Leite, I. B. & Fernandes, R. C. (2006). Apresentação. In Boletim informativo NUER/Núcleo de Estudos de Identidade e Relações Interétnicas, 3(3), - Florianópolis, NUER/UFSC.

Leite, I. B. (2000). Os Quilombos no Brasil: questões conceituais e normativas. In Textos e Debates NUER/ UFSC, 7, 1-40.

Leite, I. B. (2002). O legado do testamento: a Comunidade de Casca em perícia. Florianópolis: NUER/UFSC.

Maestri, M. & Fiabani, A. (2008). «O mato, a roça e a enxada: a horticultura quilombola no Brasil escravista [séculos 16-19]». In M. Motta, & P. Zarth. História Social do Campesinato. Formas de resistência camponesa: visibilidade e diversidade de conflitos ao longo da história

(vol. 1). São Paulo: UNESP.

Maestri, M. (2002a). Deus é grande, o mato é maior! Passo Fundo: UPF.

Maestri, M. (2002b). A aldeia ausente. In M. Maestri, Carrion & Ponge. (2002b). As portas de Tebas: ensaios de interpretação marxista. Passo Fundo: UPF.

Maestri. M. (1995). O Quilombo de Manuel Padeiro. In F. Seffner (Org.). Presença negra no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: UE/Porto Alegre.

Martins, J. S. (1986). O cativeiro da terra (3ª ed.) São Paulo: Hucitec.

Moura, C. (1993). Quilombos: resistência ao escravismo. São Paulo: Editora Ática.

Movimento Negro faz propostas à Constituinte. (1986). Folha de São Paulo, em 8 de novembro.

O'Dwyer, E. C. (Org.). (2002). Quilombos: identidade étnica e territorialidade. Rio de Janeiro: Editora FGV.

Oliveira, W. F. (1988). Apresentação. In E. Carneiro. O quilombo de Pamares (4ª ed.). São Paulo: CEN.

Pedreira, P. T. (2001). Os quilombos baianos. In C. Moura (Org.). Os quilombos na dinámica social do Brasil. Maceió: EDUFAL.

Pedroso, D. M. R. (1992). Avá-Canoeiro: a história do povo invisível - séculos XVIII e XIX. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, Goiás, Brasil.

Péret, B. (2002). Diário de Viagem do Capitão João Blaer aos Palmares em 1645. In O quilombo dos Palmares. Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Péret, B. (2002). O quilombo dos Palmares. Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Projeto Vida de Negro. (2002). Terras de Preto no Maranhão: quebrando o mito do isolamento. São Luís-MA: SMDH/CCN-MA/PVN.

Rios, A. L. & Mattos, H. (2005). Memórias do cativeiro: família, trabalho e cidadania no pós-abolição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Rodrigues, J. H. (1970). História e Historiografia. Rio de Janeiro: Vozes.

Sahr, C. L. L. et al. (2011). Geograficidades quilombolas: estudo etnográfico da comunidade de São João, Adrianópolis - Paraná. Ponta Grossa: Editora UEPG.

Silva, M. J. (2001). Resistência dos quilombos no Brasil Central. In C. Moura (Org.). Os quilombos na dinámica social do Brasil. Maceió: EDUFAL.

Souza Filho, B. (2008). Os pretos de Bom Sucesso: terra de preto, terra de santo, terra comum. São Luís: Edufma.

Treccani, G. D. (2006). Terras de Quilombo: caminos e entraves do processo de titulação. Belém: Secretaria Executiva de Justiça. Programa Raízes.

Trindade, J. S. B. (2004). «Nós, quilombola?». 24ª Reunião Brasileira de Antropologia, Olinda, Pernambuco, Brasil.

Varnhagen, F. A. de. (1962). História geral do Brasil: antes de sua separação e independencia de Portugal. São Paulo: Melhoramentos.




DOI: http://dx.doi.org/10.14201/reb20185103952

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.